02/04/2020
28ºC Maceio, Tempo nublado
(82) 99620-8008

Notícias

18/03/2020 21:11
Política
Sobre coronavírus, Bolsonaro diz que governo ganha 'de goleada' e pede elogios
Presidente e oito ministros usaram máscaras durante entrevista no Planalto. Ele disse que uso foi motivado por testes positivos de ministros Bento Albuquerque e Augusto Heleno.
O presidente Jair Bolsonaro e ministros durante pronunciamento conjunto no Palácio do Planalto sobre a crise do coronavírus / Foto: Luiz Felipe Barbiéri / G1

O presidente Jair Bolsonaro reuniu ministros no Palácio do Planalto no início da tarde desta quarta-feira (18) para um pronunciamento conjunto sobre medidas adotadas pelo governo contra a expansão do coronavírus.

 

Durante o pronunciamento – em seguida, Bolsonaro e ministros deram entrevista –, o presidente afirmou que o governo "está ganhando de goleada". Ele pediu que o trabalho do governo e ele próprio sejam exaltados. Durante a fala de Bolsonaro, transmitida por emissoras de TV, houve "panelaços" contra o presidente, pelo menos no Rio de Janeiro.

 

"Nosso time está ganhado de goleada. Duvido que quem vier me suceder um dia – acho muito difícil – consiga montar um equipe como eu montei. E tive a coragem de não aceitar pressões de quem quer que seja. Então, se o time está ganhando, vamos fazer justiça, vamos elogiar seu técnico, e o seu técnico chama-se Jair Bolsonaro”, declarou.

 

Ao abrir o pronunciamento, o presidente informou que o ministro Bento Albuquerque (Minas e Energia), que o acompanhou na comitiva da viagem à Flórida (EUA), na semana passada, contraiu o coronavírus. Com isso, até a última atualização desta reportagem, são 17 as pessoas que estiveram com Bolsonaro na viagem aos Estados Unidos e contraíram coronavírus. Os dois exames feitos pelo presidente deram negativo, segundo ele mesmo anunciou.

 

Durante a apresentação e posterior entrevista, o presidente, oito ministros e o presidente da Agência Nacional de Vigiância Sanitária (Anvisa) usavam máscaras. Bolsonaro disse que o motivo do uso das máscaras foram os testes positivos dos ministros Bento Albuquerque e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional).

 

"Além do general Heleno, que teve contato com alguns aqui, também tivemos positivo agora o teste do ministro das Minas e Energia, o almirante Bento. Obviamente, o cuidado nosso tem que ser redobrado”, disse o presidente.

 

Estavam presentes os ministros Braga Netto (Casa Civil), Tarcisio Freitas (Infraestrutura), Sergio Moro (Justica), Paulo Guedes (Economia), Bolsonaro, Luiz Henrique Mandetta (Saúde), Fernando Azevedo e Silva (Defesa), Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), além do presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres.

 

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, explicou que o objetivo do uso das máscaras foi preservar a cadeia de comando do governo federal. Ele disse que boa parte dos ministros teve contato com Heleno nos últimos dois dias.

 

“O uso dessa máscara não é nada fora do que é planejado pela saúde. Praticamente todos aqui, nas últimas 48 horas, alguns mais outros menos, tivemos trabalho em mesas ao lado do nosso querido general Heleno”, explicou.


Bolsonaro afirmou que, em razão do teste positivo de Heleno, poderá fazer um novo exame para identificar se contraiu coronavírus. Mandetta complementou que as autoridades terão o “máximo de rigor” e farão testes caso surjam sintomas.

 

“Vamos todos trabalhar com máximo de rigor. Casa, trabalho, máximo de proteção. Iremos nos testar caso tenhamos qualquer sinal ou sintomas, pela característica do trabalho ser similar, por exemplo, de médico ou enfermeiro por atender muitas pessoas que são positivas”, explicou Mandetta.

 

Em sua fala, Bolsonaro admitiu preocupação com a pandemia e disse ter o apoio do Congresso Nacional. Nesta quarta, Bolsonaro enviou para análise de deputados e senadores o pedido de reconhecimento do estado de calamidade pública, que permitirá ampliar os gastos com a pandemia sem a necesssidade de cumprir a meta fiscal deste ano.

 

"Externamos nossa preocupação. E estamos tendo todo o apoio por parte da Câmara e do Senado", disse Bolsonaro.

 

Segundo o presidente, embaixadas do Brasil no exterior trabalham para auxiliar no retorno de brasileiros que não conseguem embarcar de volta, em razão de países que fecharam fronteiras ou limitaram voos.


Panelaço e manifestações


Ao abrir para perguntas de jornalistas, Bolsonaro foi questionado sobre o “panelaço” da noite desta terça-feira (18) e sobre outro que estaria sendo convocado para a noite desta quarta-feira.

 

Ele disse que se trata de “movimento espontâneo” e que encara a manifestação como uma “expressão da democracia”.

 

“Qualquer manifestação popular nas ruas, ou dentro de casa com panelaço, nós políticos devemos entender como uma pura manifestação da democracia” afirmou.

 

Perguntado se agiu errado ao participar do ato pró-governo de domingo e de cumprimentar manifestantes, Bolsonaro disse que o chefe de estado precisa correr esse tipo de risco.

 

O presidente declarou que não será surpresa se nos próximos dias ele entrar em um metrô lotado, ônibus ou barcaça da travessia Rio-Niterói, a fim de demonstrar que está junto à população.

 

Para Bolsonaro, isso não seria “populismo”, mas, sim, uma “demonstração” que está “ao lado do povo na alegria e na tristeza”.

 

Bolsonaro ainda reafirmou que considera não ter descumprido qualquer orientação do Ministério da Saúde de prevenção ao coronavírus, mesmo tendo se aproximado de uma aglomeração de pessoas.

 

“A partir do momento que não estou infectado, ao ter contato com quem quer que seja não estou colocando em risco a vida ou a saúde daquela pessoa. Não descumpro qualquer orientação sanitária por parte do ministro da Saúde, nossa autoridade máxima nesse caso”, afirmou.

 

Perguntado se participaria de uma nova manifestação, o presidente disse que “não existe essa hipótese” e nem clima para uma nova mobilização.

 

“Acho que não há clima para ninguém pensar em fazer uma manifestação. A realidade vai chegando aos poucos. Devemos é evitar algo superdimensionado”, afirmou.

 

Auxílio a pessoas 'desassistidas'

 

O ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciou que a aprovação pelo Congresso do reconhecimento do estado de calamidade pública pelo Congresso Nacional, pedido pelo governo, possibilitará destinar R$ 15 bilhões para "pessoas desassistidas" em meio à pandemia do novo coronavírus.

 

Guedes informou que o dinheiro vai ajudar "essas pessoas que estão hoje desassistidas, estão no Cadastro Único [para Programas Sociais]", mas que não recebem Bolsa Família nem Benefício de Prestação Continuada (BPC).

 

"Isso assegura manutenção de quem está sendo vitima do impacto econômico. Não recebem nada de ninguém, é uma turma valente sobrevivendo sem ajuda do Estado e são atingidos agora. Precisam ter recursos para a manutenção básica. Serão R$ 5 bilhões por mês, por três meses, R$ 15 bilhões [ao todo]", declarou.

 

O ministro da Economia também informou que o governo, com a aprovação da calamidade pública, deve “lançar uma camada de proteção” aos trabalhadores autônomos, que seria de R$ 200.

 

“O povo sai da rua, não tem ninguém mais tomando táxi? O chofer de táxi pode passar na Caixa Econômica Federal, ou no [posto do INSS] mais próximo, ou virtualmente”, afirmou Guedes.

 

Fronteiras


O ministro da Justiça, Sérgio Moro, relatou que o governo avalia o fechamento temporário das fronteiras do Brasil com outros países, nos moldes do que foi feito em relação à Venezuela. O Brasil fechou a fronteira, em Roraima, mas manteve liberado o fluxo de mercadorias.

 

De acordo com Sergio Moro, o assunto foi tratado mais cedo em uma reunião por videoconferência entre Bolsonaro e outros líderes de países do Mercosul – Uruguai, Paraguai e Argentina, além do Brasil.

 

"Foi importante para evitar a contaminação porque o Brasil não teria capacidade de tratar uma demanda vindo da Venezuela. Hoje, teve uma reunião com o Mercosul. Está sendo estudada como medida sanitária o fechamento de fronteiras com outros países, nos moldes desse fechamento de fronteira da Venezuela", declarou Moro.

 

Forças Armadas


O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, disse que o combate ao coronavírus é uma “guerra” e que os brasileiros poderão contar com as Forças Armadas.

 

“Isso é uma guerra. Isso que está acontecendo é uma guerra, com um inimigo invisível, feroz, dedicado. Enquanto tem uma guerra, os brasileiros podem contar com as forças armadas”, declarou.

 

O ministro disse que acionou o Centro de Operações Conjuntas, envolvendo os ministérios da Defesa e da Saúde para trabalhar com “possíveis ajudas, auxílios, que as Forças Armadas podem e devem dar em relação a isso”.

 

Minha Casa, Minha Vida


O ministro do Desenvolvimento Social, Rogério Marinho, afirmou que vai colocar à disposição unidades habitacionais do Minha Casa Minha Vida em caso de necessidade de manter pessoas contaminadas em quarentena.

 

“Nos estados, também colocaremos à disposição para eventualidades unidades habitacionais do Minha Casa Minha Vida, se houver necessidade de eventualmente deixar algumas pessoas em quarentena fora dos hospitais”, afirmou.

 

Companhias aéreas


O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, anunciou mais prazo para as companhias aéreas fazerem o reembolso dos consumidores em casos de cancelamento de passagens.

 

“Vamos dar um prazo maior para o reembolso em dinheiro. É uma medida importante em termos de fluxo de caixa”, disse.

 

Sem dar mais detalhes sobre prazo, o ministro afirmou que as medidas devem ser anunciadas ainda nesta quarta e também devem prever o “diferimento de tarifas aeroportuárias e o diferimento de outorgas aeroportuárias”, que segundo ele, é uma despesa importante para as empresas aéreas e para as administradoras de aeroportos. “Isso para manter o setor aéreo funcionando” afirmou.

 

Saúde


O ministro da Saúde, Henrique Mandetta, disse que até sexta-feira (20) apresentará uma ferramenta para teleatendimento aos brasileiros em razão da pandemia de coronavírus.

 

“Deveremos ter uma ferramenta bem inovadora para que todo o brasileiro possa receber a chamada e ao digitar sinais e sintomas a gente classificar o risco e mantê-lo sistematicamente monitorado. Até sexta, a gente apresenta”, afirmou o ministro.

 

Segundo ele, a intenção é regulamentar a telemedicina, o teleatendimento e a teleconsulta, para todo o território nacional durante essa epidemia.

FONTE:G1

 

Comentários

Utilize o formulário abaixo para comentar.

Ainda restam caracteres a serem digitados.
CAPTCHA
Compartilhe nas redes sociais:

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.

Política