14/12/2018
26ºC Maceio, Ensolarado com muitas nuvens
(82) 99620-8008

Notícias

02/12/2018 12:03
Alagoas
Fiscais flagram 840 trabalhadores alagoanos em regime semelhante a escravidão
Número é o maior desde 1995, quando o Ministério do Trabalho iniciou série de fiscalização

Fiscalizações do Ministério do Trabalho realizadas nos últimos doze meses, em Alagoas, flagraram 840 trabalhadores em condições análogas a de escravo, segundo levantamento divulgado recentemente pelo Departamento de Segurança e Saúde da Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT).

 

É a maior quantidade de trabalhadores nesta situação de toda a série histórica do ministério, iniciada em 1995. Antes disso, o ano de 2008 foi o que registrou maior número de trabalhadores em regime semelhante à escravidão, com 656 casos. Somente este ano, segundo dados da SIT, 90 trabalhadores alagoanos foram resgatados em situação semelhante à escravidão.

 

O levantamento mostra ainda que o município de Rio Largo - na Grande Maceió - foi o recordista em trabalho análogo à escravidão no período, com 185 casos. Em seguida aparecem Feira Grande (105), União dos Palmares (71), São Miguel dos Campos (61) e Penedo (52).

 

As ações do Ministério do Trabalho também flagraram trabalhadores em regime análogo à escravidão em Colônia Leopoldina (36 casos), São Luís do Quitunde (17), São José da Laje (15), Roteiro (15) e Flexeiras (12).

 

Segundo o ministério, os setores que mais registraram trabalho análogo à escravidão em Alagoas nos últimos doze meses foram o cultivo da cana-de-açúcar, cultivo de frutas e lavoras permanentes - exceto laranja e uva - e extração de pedra, areia e argila.

 

Em doze meses, segundo os dados, as fiscalizações do Ministério do Trabalho em Alagoas alcançaram 357,4 mil trabalhadores e flagraram 1.501 irregularidades relativas à segurança e saúde do trabalhador.

 

Em todo o País, o Ministério do Trabalho resgatou 53.195 trabalhadores em situação análoga à escravidão. O setor de bovinos foi o recordista de flagrantes com 167 casos, seguido da produção florestal, com 127 casos, cultivo de soja (86), atividades de apoio à agricultura (80) e cultivo de café (75).

 

De janeiro a agosto deste ano, o ministério realizou um total de 150.520 fiscalizações para verificação do cumprimento das normas trabalhistas e de segurança e saúde no trabalho. Segundo o SIT, 37.572.251 trabalhadores foram alcançados pelas ações de fiscalização da Pasta no período.

 

O ministro do Trabalho, Caio Vieira de Mello, destaca que esses números demonstram a importância do trabalho de fiscalização realizado pelo órgão. "O Painel facilita a qualquer cidadão brasileiro o acesso às informações sobre Inspeção do Trabalho, de maneira que a sociedade conheça a importância da fiscalização para a garantia dos direitos trabalhistas conquistados", disse, por meio de assessoria.

 

 

 


Por Carlos Nealdo | Portal Gazetaweb.com

Comentários

Utilize o formulário abaixo para comentar.

Ainda restam caracteres a serem digitados.
CAPTCHA
Compartilhe nas redes sociais:

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.

Alagoas